contain  multitudes  •  por  Padma  Dorje  •  fundado  em  2003
contain  multitudes

YouTube

Spoilers do Darma

Por que certos ensinamentos budistas requerem discrição, e não devem ser ensinados em público?

tzal.org

Contos de um vagabundo iluminado

Histórias de um dos maiores lamas do séc XIX, um exemplo de insuperável de humildade e integração dos ensinamentos mais profundos
Buda Virtual

A prática do altar

Cada vez mais encontramos pessoas que se consideram praticantes mas nem cogitaram ainda ter um altar em casa. Como corrigir isso?
Buda Virtual

Budismo e mistificação quântica

"É física quântica, bichinho." O que há de distorções e verdades na relação entre os dois assuntos?
Papo de Homem

As premissas injustificadas da ciência

A maioria de nós acredita que as trevas do pensamento supersticioso e irracionalista, em que a vontade se confunde com realidade, foi absolutamente superado pela ciência. Porém, até que ponto a ciência realmente explica as coisas, e ela pode superar ou substituir de fato o sentimento religioso e prover sentido para a vida humana? Isso é uma pretensão verdadeiramente científica ou apenas expectativa de seus seguidores menos esclarecidos? Mais do que isso, o quanto ainda persiste de irracionalista na própria ciência?

Papo de Homem

A comunicação perfeita é possivel?

O problema da comunicação é a semântica, e a semântica diz respeito ao problema difícil da consciência.
tzal.org

Centros de darma que recomendo

Uma lista de centros e professores do darma que considero autênticos e confiáveis.
Buda Virtual

Jack Kerouac e o Budismo

“Já leu o livro Os Vagabundos do Dharma 'The Dharma Bums' de Jack Kerouac? Qual a ligação deste livro com o darma?” // Basicamente Kerouac se interessou pelo budismo por um período nos anos 50, até uns 5 anos antes de sua morte, no fim dos anos 60. O conhecimento de budismo dele era superficial, e um tanto distorcido. // Esse livro é da primeira fase de deslumbre dele em contato com alguns textos budistas -- ele não chegou a conhecer um professor ou ouvir uma palestra, ou fazer prática em grupo. // Allen Ginsberg, no entanto, lá pelos anos 70 finalmente veio a consolidar o entendimento do budismo e seguir um professor, se tornando alguém que tinha uma noção leiga, mas válida, do budismo, e um praticante. // Eu não tomaria Dharma Bums como indicador de qualquer coisa sobre o dharma, apenas um indicador do interesse de Kerouac e outros beats no assunto. Um dos personagens no livro é inspirado em Gary Snyder, que viveu um tempo no Japão e também é (está vivo) hoje um bom praticante e conhecedor (embora nos anos 50, seja difícil precisar exatamente o quanto ele já entendia, e ele foi sem dúvida caricaturado no livro de Kerouac.) // 3a. onda: A distorção dos descolados
Facebook
Artista consumado trabalhando no Khadro Ling, Três Coroas.
Facebook

Faça você mesmo nível 10

Quem aí também faz a manutenção da própria lava-seca apenas assistindo video do youtube?
UOL

Cidades com filtro

A valorização do seu bairro talvez não seja para você - a não ser que esteja disposto a arcar com os novos e elevados custos
Porra Maurício

Porra, Mauricio!

Para ler “A Turma da Mônica”... como chanchada.
ETYMAN

Pruriente é um Falso Amigo

Pera lá: estava louco para usar "pruriente" em português, mas, pelo jeito, olha aí um novo falso amigo. // O sentido era "com luxúria", mas esse sentido só está no inglês. Em português, está ligado a coceira apenas. // Porém, acho que há uma raiz comum, mesmo os exemplos tibetanos de, por exemplo, porque a sexualidade é potencialmente um problema (e porque existe voto de castidade para monges, por exemplo), usam o exemplo da coceira -- quando você tem, melhor coçar, mas é melhor não ter a coceira em primeiro lugar. // Há uma conexão no latim e no pensamento clássico no ocidente entre coceira e sexualidade, como há no exemplo do budismo tibetano? // Se sim, essa é a origem comum da bifurcação semântica entre o português e o inglês com relação a esse termo?

Um mapa mental público

Este é o site pessoal e portfólio de Padma Dorje, Eduardo Pinheiro, um tradutor e programador que vive em Porto Alegre e se interessa por budismo1Em particular a madhyamaka (prasangika, svatantrika, yogachara-svatantrika), o vajrayana (em particular a relação com ao uso peculiar da linguagem e as hagiografias), o dzogchen (e por extensão a tradição nyingma, e também a relação de dzogchen, zen budismo e taoísmo), e polêmicas como as críticas de Gedun Chöpel ao realismo, shentong-rangtong, a noção absurda de budismo "não engajado" que surje por extensão da noção de "budismo engajado", meta-ética budista, budismo e sexualidade, budismo e filosofia, budismo e consumo, política budista, greco-budismo, "linguagem crepuscular" no vajrayana etc., cultura anglófila e ianque2Americana, science fiction (clássica, surrealista, new wave, cyberpunk), contracultura, geração beat, tensões étnicas e arte, blues, swinging London, Inglaterra vitoriana, sátira, wit, William Blake, Finnegans Wake, Aldous Huxley, Vonnegut, K. Dick, Samuel R. Delany, J. G. Ballard, Asimov, Heinlein, Cory Doctorow, XKCD., teoria estética japonesa3Wabi-sabi, iki, shakuhashi., nuberu bagu4Hiroshi Teshigahara, Shohei Imamura, Masahiro Shinoda., teoria do humor5Análise do humor, stand-up, biografia e humor, faux pas, teoria ôntico-epistêmica do humor, antihumor, non sequitur, nonsense, ritual clown, onomasti komodein, parrésia e humor; Woody Allen, Louis C.K., Steven Wright, Garry Shandling, Richard Pryor, Larry David, Seinfeld, Dr. Katz, Stephen Colbert, Jon Stewart, Kids in the Hall, Monty Python., etnometodologia e gonzo, economia da atenção6Comodificação do tempo, poluição da atenção, mind kipple, externalismos existenciais, cultura de déficit de atenção e hiperatividade, consumo consciente, heurística e deficientes tecnológicos., usabilidade, democracia direta, criticalidade auto-organizada, teoria dos jogos, teoria da propriedade (especialmente propriedade intelectual)7Partido Pirata, bens imateriais, bens pelos quais não se compete, lucros presumidos, micropatronagem., "pessoalidade corporativa" e accountability, cripto-anarquismo8Cypherpunks, bitcoin, neutralidade, anonimidade, guerra dos dispositivos de computação geral., distopias91984, Brave New World, Utopia, Cândido, Brazil, Soylent Green etc., linguística10Psicolínguística, evidential markers, modalidades epistêmicas, epistemic mood, mirativo, autoantônimos, impacto cultural da hipótese de Sapir-Whorf. e filosofias da mente11Autoengano, acesso privilegiado, inteligência artificial, zumbis, argumentos contra o funcionalismo, o emergentismo e o epifenomenalismo., da linguagem12Argumentos da linguagem privada, divisão do trabalho linguístico, contextualismo semântico, antiessencialismo, linguagem indireta, ironia. e da ciência13Antirrealismo, problemas do fisicalismo e do reducionismo, causação vs. correlação, epistemologia da estatística., bem como "metafilosofia"14Racismo filosófico, natureza dos problemas filosóficos, antifilosofia (principalmente como algo "bom")..


Destaques

• Em Algumas respostas sobre o Budismo se encontram cerca de 800 perguntas e respostas sobre a pouco entendida tradição (que sequer é fácil definir como religião, ciência ou filosofia). Outros textos sobre o assunto podem ser encontrados na seção Budismo.

• Escrito originalmente no fim dos anos 90, uma crítica do suposto uso legítimo de drogas alucinógenas ("psicodélicos", "enteógenos") no contexto religioso causou intenso debate em vários fóruns em português, e vai desde o questionamento do relativismo cultural até a questão da definição de espiritualidade.

• Uma lista com links para todos meus artigos escritos sob encomenda e publicados em outros sites.

No mapa do site podem ser encontrados todos os cerca de 170 artigos organizados por categorias. Tenha em mente que este site contém mais de 260.000 palavras, que se impressas resultariam um livro de mais ou menos 600 páginas (estes números não incluem os links para artigos externos pelo mesmo autor, o que dobraria as quantias).


Tecnologia

Este site foi desenvolvido em PHP. A velocidade no lado do servidor é garantida por um parsing que "compila" dinamicamente e consolida o conteúdo e a estrutura (árvore de categorias, palavras-chave) por completo, a escrevendo em html simples, o que elimina a necessidade de acesso a um banco de dados e o uso exagerado de lógica de programação durante o carregamento das páginas.


Definição de "tzal"

Tzal (tibetano transliterado em wylie rtsal, grafado foneticamente tanto como tsal quanto como tzal, e algumas vezes como tsel, skt. prabala) significa energia externa, habilidade, trabalhar, funcionar, dinâmica existencial, potência, poder, projeção externa, criatividade, reflexão, poder de manifestação, destreza, agilidade, força, feito, talento, ato, exibição, poder de manifestação da natureza da mente. Indica a capacidade própria da energia de se manifestar ou se projetar externamente, como um cristal iluminado por um raio de luz produz inúmeros arcos de luz coloridos ao seu redor.15Fonte: definição de tzal, em inglês. Esta discussão, também em inglês, também é interessante.


1. ^ Em particular a madhyamaka (prasangika, svatantrika, yogachara-svatantrika), o vajrayana (em particular a relação com ao uso peculiar da linguagem e as hagiografias), o dzogchen (e por extensão a tradição nyingma, e também a relação de dzogchen, zen budismo e taoísmo), e polêmicas como as críticas de Gedun Chöpel ao realismo, shentong-rangtong, a noção absurda de budismo "não engajado" que surje por extensão da noção de "budismo engajado", meta-ética budista, budismo e sexualidade, budismo e filosofia, budismo e consumo, política budista, greco-budismo, "linguagem crepuscular" no vajrayana etc.

2. ^ Americana, science fiction (clássica, surrealista, new wave, cyberpunk), contracultura, geração beat, tensões étnicas e arte, blues, swinging London, Inglaterra vitoriana, sátira, wit, William Blake, Finnegans Wake, Aldous Huxley, Vonnegut, K. Dick, Samuel R. Delany, J. G. Ballard, Asimov, Heinlein, Cory Doctorow, XKCD.

3. ^ Wabi-sabi, iki, shakuhashi.

4. ^ Hiroshi Teshigahara, Shohei Imamura, Masahiro Shinoda.

5. ^ Análise do humor, stand-up, biografia e humor, faux pas, teoria ôntico-epistêmica do humor, antihumor, non sequitur, nonsense, ritual clown, onomasti komodein, parrésia e humor; Woody Allen, Louis C.K., Steven Wright, Garry Shandling, Richard Pryor, Larry David, Seinfeld, Dr. Katz, Stephen Colbert, Jon Stewart, Kids in the Hall, Monty Python.

6. ^ Comodificação do tempo, poluição da atenção, mind kipple, externalismos existenciais, cultura de déficit de atenção e hiperatividade, consumo consciente, heurística e deficientes tecnológicos.

7. ^ Partido Pirata, bens imateriais, bens pelos quais não se compete, lucros presumidos, micropatronagem.

8. ^ Cypherpunks, bitcoin, neutralidade, anonimidade, guerra dos dispositivos de computação geral.

9. ^ 1984, Brave New World, Utopia, Cândido, Brazil, Soylent Green etc.

10. ^ Psicolínguística, evidential markers, modalidades epistêmicas, epistemic mood, mirativo, autoantônimos, impacto cultural da hipótese de Sapir-Whorf.

11. ^ Autoengano, acesso privilegiado, inteligência artificial, zumbis, argumentos contra o funcionalismo, o emergentismo e o epifenomenalismo.

12. ^ Argumentos da linguagem privada, divisão do trabalho linguístico, contextualismo semântico, antiessencialismo, linguagem indireta, ironia.

13. ^ Antirrealismo, problemas do fisicalismo e do reducionismo, causação vs. correlação, epistemologia da estatística.

14. ^ Racismo filosófico, natureza dos problemas filosóficos, antifilosofia (principalmente como algo "bom").

15. ^ Fonte: definição de tzal, em inglês. Esta discussão, também em inglês, também é interessante.




Se você vê mérito nos tópicos tratados, divulgue — comente e partilhe nas redes sociais. É uma prática de generosidade que ajuda na minha própria prática de generosidade de produzir e disponibilizar esse conteúdo. Outras formas de ajudar.
tzal.org é produzido por
Padma Dorje.

e-mail

boletim informativo

Tendrel: conexões auspiciosas
canal no YouTube




Banco do Brasil (001)
ag 3.240-9 cc 123.017-4



Sugestões de patronagem recorrente (mensal):








todo conteúdo, design e programação por Eduardo Pinheiro, 2003-2018
(exceto onde esteja explicitamente indicado de outra forma)
Licença Creative CommonsEste obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Por favor, quando divulgar algo deste site, evite copiar o conteúdo todo de um texto; escolha um trecho de um ou dois parágrafos e coloque um link. O material aqui é revisado constantemente, e páginas repetidas na internet perdem ranking perante o Google (a sua e a minha).

https://tzal.org/