contain  multitudes  •  por  Padma  Dorje  •  fundado  em  2003
contain  multitudes

tzal.org

Distorções Comuns

Quais são as distorções mais comuns quando um brasileiro busca praticar o darma?

Buda Virtual

Tradição

Thinley Norbu Rinpoche é um dos três melhores escritores e poetas budistas com domínio da língua inglesa, Os outros dois são Dzongsar Khyentse Rinpoche e Chogyam Trungpa Rinpoche. Aqui uma tradução do livro “Dança Mágica”.
YouTube

Por que o nascimento humano
é uma oportunidade tão rara?

Os ensinamentos budistas dizem que é muito difícil nascer como ser humano. Por que isso é assim?
Papo de Homem

Philip K. Dick e a paranoia gnóstica

K. Dick não só descreve e critica o mundo enganoso da supercorporação, ele é também produto do wasteland infinito da América suburbana dos shopping centers de brilho gasto, pedindo reforma, que hoje são simplesmente nossa cultura globalizada por todo lado.
Buda Virtual

Três ondas de distorção do budismo no ocidente
A 2ª onda: a distorção dos românticos

Neste artigo são apresentadas distorções causadas pelo romantismo alemão/inglês, com viés no misticismo e universalismo da Teosofia e no irracionalismo de D.T. Suzuki. Ambas as distorções foram intensificadas pelo trabalho de C. G. Jung.
Papo de Homem

Suicídio: sem justificativa

Em nossa cultura cada vez mais secular, o suicídio é progressivamente menos julgado como uma questão moral, de ação e deliberação: torna-se o mero produto de uma doença. Isso com certeza tem o lado positivo de poder ajudar a família a encontrar algum tipo de consolo, já que, ao menos em grande parte, as questões de saúde estão fora de seu controle. Mas, por outro lado, não lida com os fortes impactos culturais desta ação.

Papo de Homem

Imperfeição como adorno da perfeição

Reflexão sobre cultura da obsolescência, wabi-sabi, e as dimensões éticas e estéticas da imperfeição como um valor ético/estético.
tzal.org

Peculiaridade e vazio

Mais do que forma é vazio, vazio é forma: uma forma específica é vazio, não é preciso generalizar.
Facebook
Uma vez conheci uma pessoa que sabe ler e escrever, e que na época cursava universidade à distância, que nunca havia ouvido falar o nome “Fidel Castro”. // Em 1992 no ensino médio eu conheci um rapaz que nunca tinha ouvido falar o nome “Mozart”. Amadeus passava na Globo nessa época, e 1991 foi o bicentenário da morte do compositor -- mesmo na TV brasileira, havia, vez que outra, alguma programação cultural lembrando esse fato. Provavelmente para vender a caixa com 180 CDs que fora lançada (e que agora foi relançada com 200 CDs). // E daí? Até 1997, com 22 anos de idade, eu nunca havia lido ou ouvido o nome “Padmasambhava”.
YouTube

Otávio Mesquita no Khadro Ling

A Lama Sherab curte uma descontração. // No Okay Pessoal desta segunda, 24/10/14, Otávio Mesquita visita o belíssimo Templo Budista da…
YouTube

Neten Chokling Rinpoche no Khadro Ling, 2017

Vídeo sobre a visita de Sua Emª Neten Chokling Rinpoche ao Khadro Ling e trechos do evento de Dakini Lótus realizado entre os dias 15 e 17 de novembro de 2017.

JAIRKOBE

Os 34 brinquedos de pracinha
mais assustadores do mundo

Chê, a gurizada precisa brincar e se divertir ao ar livre, brincar em pracinha, se exercitar fora de casa! Mas os viventes que projetaram esses brinquedos de pracinha tinham sérios problemas, chê! Tomara que nenhum juvenil tenha se traumatizado pro resto da vida! É verdade!
YouTube

The Stuff

Galerinha tá comendo muito THE STUFF.
HYPESCIENCE

20 fotografias em close de beija-flores
que revelam sua beleza incrível

Os beija-flores são fortes candidatos a “aves mais impressionantes do mundo”. Confira imagens que revelam sua beleza delicada única.
dailymotion

Jimi Hendrix
Can You See Me

Introdução com pintura de Denny Dent do especial “Jimi Plays Monterey”
FOLHA

Análise: Aos cem, Houaiss se
espantaria com amadorismo cultural

Num país culturalmente mais organizado do que o Brasil, o centenário de um intelectual como Antônio Houaiss seria celebrado como se deve: por meio da…

Um mapa mental público

Este é o site pessoal e portfólio de Padma Dorje, Eduardo Pinheiro, um tradutor e programador que vive em Porto Alegre e se interessa por budismo1Em particular a madhyamaka (prasangika, svatantrika, yogachara-svatantrika), o vajrayana (em particular a relação com ao uso peculiar da linguagem e as hagiografias), o dzogchen (e por extensão a tradição nyingma, e também a relação de dzogchen, zen budismo e taoísmo), e polêmicas como as críticas de Gedun Chöpel ao realismo, shentong-rangtong, a noção absurda de budismo "não engajado" que surje por extensão da noção de "budismo engajado", meta-ética budista, budismo e sexualidade, budismo e filosofia, budismo e consumo, política budista, greco-budismo, "linguagem crepuscular" no vajrayana etc., cultura anglófila e ianque2Americana, science fiction (clássica, surrealista, new wave, cyberpunk), contracultura, geração beat, tensões étnicas e arte, blues, swinging London, Inglaterra vitoriana, sátira, wit, William Blake, Finnegans Wake, Aldous Huxley, Vonnegut, K. Dick, Samuel R. Delany, J. G. Ballard, Asimov, Heinlein, Cory Doctorow, XKCD., teoria estética japonesa3Wabi-sabi, iki, shakuhashi., nuberu bagu4Hiroshi Teshigahara, Shohei Imamura, Masahiro Shinoda., teoria do humor5Análise do humor, stand-up, biografia e humor, faux pas, teoria ôntico-epistêmica do humor, antihumor, non sequitur, nonsense, ritual clown, onomasti komodein, parrésia e humor; Woody Allen, Louis C.K., Steven Wright, Garry Shandling, Richard Pryor, Larry David, Seinfeld, Dr. Katz, Stephen Colbert, Jon Stewart, Kids in the Hall, Monty Python., etnometodologia e gonzo, economia da atenção6Comodificação do tempo, poluição da atenção, mind kipple, externalismos existenciais, cultura de déficit de atenção e hiperatividade, consumo consciente, heurística e deficientes tecnológicos., usabilidade, democracia direta, criticalidade auto-organizada, teoria dos jogos, teoria da propriedade (especialmente propriedade intelectual)7Partido Pirata, bens imateriais, bens pelos quais não se compete, lucros presumidos, micropatronagem., "pessoalidade corporativa" e accountability, cripto-anarquismo8Cypherpunks, bitcoin, neutralidade, anonimidade, guerra dos dispositivos de computação geral., distopias91984, Brave New World, Utopia, Cândido, Brazil, Soylent Green etc., linguística10Psicolínguística, evidential markers, modalidades epistêmicas, epistemic mood, mirativo, autoantônimos, impacto cultural da hipótese de Sapir-Whorf. e filosofias da mente11Autoengano, acesso privilegiado, inteligência artificial, zumbis, argumentos contra o funcionalismo, o emergentismo e o epifenomenalismo., da linguagem12Argumentos da linguagem privada, divisão do trabalho linguístico, contextualismo semântico, antiessencialismo, linguagem indireta, ironia. e da ciência13Antirrealismo, problemas do fisicalismo e do reducionismo, causação vs. correlação, epistemologia da estatística., bem como "metafilosofia"14Racismo filosófico, natureza dos problemas filosóficos, antifilosofia (principalmente como algo "bom")..


Destaques

• Em Algumas respostas sobre o Budismo se encontram cerca de 800 perguntas e respostas sobre a pouco entendida tradição (que sequer é fácil definir como religião, ciência ou filosofia). Outros textos sobre o assunto podem ser encontrados na seção Budismo.

• Escrito originalmente no fim dos anos 90, uma crítica do suposto uso legítimo de drogas alucinógenas ("psicodélicos", "enteógenos") no contexto religioso causou intenso debate em vários fóruns em português, e vai desde o questionamento do relativismo cultural até a questão da definição de espiritualidade.

• Uma lista com links para todos meus artigos escritos sob encomenda e publicados em outros sites.

No mapa do site podem ser encontrados todos os cerca de 170 artigos organizados por categorias. Tenha em mente que este site contém mais de 260.000 palavras, que se impressas resultariam um livro de mais ou menos 600 páginas (estes números não incluem os links para artigos externos pelo mesmo autor, o que dobraria as quantias).


Tecnologia

Este site foi desenvolvido em PHP. A velocidade no lado do servidor é garantida por um parsing que "compila" dinamicamente e consolida o conteúdo e a estrutura (árvore de categorias, palavras-chave) por completo, a escrevendo em html simples, o que elimina a necessidade de acesso a um banco de dados e o uso exagerado de lógica de programação durante o carregamento das páginas.


Definição de "tzal"

Tzal (tibetano transliterado em wylie rtsal, grafado foneticamente tanto como tsal quanto como tzal, e algumas vezes como tsel, skt. prabala) significa energia externa, habilidade, trabalhar, funcionar, dinâmica existencial, potência, poder, projeção externa, criatividade, reflexão, poder de manifestação, destreza, agilidade, força, feito, talento, ato, exibição, poder de manifestação da natureza da mente. Indica a capacidade própria da energia de se manifestar ou se projetar externamente, como um cristal iluminado por um raio de luz produz inúmeros arcos de luz coloridos ao seu redor.15Fonte: definição de tzal, em inglês. Esta discussão, também em inglês, também é interessante.


1. ^ Em particular a madhyamaka (prasangika, svatantrika, yogachara-svatantrika), o vajrayana (em particular a relação com ao uso peculiar da linguagem e as hagiografias), o dzogchen (e por extensão a tradição nyingma, e também a relação de dzogchen, zen budismo e taoísmo), e polêmicas como as críticas de Gedun Chöpel ao realismo, shentong-rangtong, a noção absurda de budismo "não engajado" que surje por extensão da noção de "budismo engajado", meta-ética budista, budismo e sexualidade, budismo e filosofia, budismo e consumo, política budista, greco-budismo, "linguagem crepuscular" no vajrayana etc.

2. ^ Americana, science fiction (clássica, surrealista, new wave, cyberpunk), contracultura, geração beat, tensões étnicas e arte, blues, swinging London, Inglaterra vitoriana, sátira, wit, William Blake, Finnegans Wake, Aldous Huxley, Vonnegut, K. Dick, Samuel R. Delany, J. G. Ballard, Asimov, Heinlein, Cory Doctorow, XKCD.

3. ^ Wabi-sabi, iki, shakuhashi.

4. ^ Hiroshi Teshigahara, Shohei Imamura, Masahiro Shinoda.

5. ^ Análise do humor, stand-up, biografia e humor, faux pas, teoria ôntico-epistêmica do humor, antihumor, non sequitur, nonsense, ritual clown, onomasti komodein, parrésia e humor; Woody Allen, Louis C.K., Steven Wright, Garry Shandling, Richard Pryor, Larry David, Seinfeld, Dr. Katz, Stephen Colbert, Jon Stewart, Kids in the Hall, Monty Python.

6. ^ Comodificação do tempo, poluição da atenção, mind kipple, externalismos existenciais, cultura de déficit de atenção e hiperatividade, consumo consciente, heurística e deficientes tecnológicos.

7. ^ Partido Pirata, bens imateriais, bens pelos quais não se compete, lucros presumidos, micropatronagem.

8. ^ Cypherpunks, bitcoin, neutralidade, anonimidade, guerra dos dispositivos de computação geral.

9. ^ 1984, Brave New World, Utopia, Cândido, Brazil, Soylent Green etc.

10. ^ Psicolínguística, evidential markers, modalidades epistêmicas, epistemic mood, mirativo, autoantônimos, impacto cultural da hipótese de Sapir-Whorf.

11. ^ Autoengano, acesso privilegiado, inteligência artificial, zumbis, argumentos contra o funcionalismo, o emergentismo e o epifenomenalismo.

12. ^ Argumentos da linguagem privada, divisão do trabalho linguístico, contextualismo semântico, antiessencialismo, linguagem indireta, ironia.

13. ^ Antirrealismo, problemas do fisicalismo e do reducionismo, causação vs. correlação, epistemologia da estatística.

14. ^ Racismo filosófico, natureza dos problemas filosóficos, antifilosofia (principalmente como algo "bom").

15. ^ Fonte: definição de tzal, em inglês. Esta discussão, também em inglês, também é interessante.




Se você vê mérito nos tópicos tratados, divulgue — comente e partilhe nas redes sociais. É uma prática de generosidade que ajuda na minha própria prática de generosidade de produzir e disponibilizar esse conteúdo. Outras formas de ajudar.
tzal.org é produzido por
Padma Dorje.

e-mail

boletim informativo

Tendrel: conexões auspiciosas
canal no YouTube




Banco do Brasil (001)
ag 3.240-9 cc 123.017-4



Sugestões de patronagem recorrente (mensal):








todo conteúdo, design e programação por Eduardo Pinheiro, 2003-2019
(exceto onde esteja explicitamente indicado de outra forma)
Licença Creative CommonsEste obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Por favor, quando divulgar algo deste site, evite copiar o conteúdo todo de um texto; escolha um trecho de um ou dois parágrafos e coloque um link. O material aqui é revisado constantemente, e páginas repetidas na internet perdem ranking perante o Google (a sua e a minha).

https://tzal.org/