contain  multitudes

Buda Virtual

Continuidade no darma: keep going

O que está por trás da expressão “keep going” que S. Ema. Chagdud Tulku Rinpoche sempre utilizava? Texto escrito para comemoração do aniversário de Chagdud Rinpoche em 2016, 13 anos após seu parinirvana.

Buda Virtual

Budismo e terapia

Qual a relação do budismo com a noção de terapia? Como práticas terapêuticas podem se coadunar com a prática do darma? Qual a diferença entre a motivação correta para buscar o darma e a motivação para buscar ajuda para questões pessoais?
Papo de Homem

Capitalismo: vamos então gameficar pra valer?

Qual poderia ser uma crítica produtiva com relação ao capitalismo? Até onde vai e até onde pode ir a abstração do “livre mercado”? Nos jogos de computador, há um esforço consciente para manter a jogabilidade e se adaptar a capacidade do jogador, não seria essa a função última da regulação?
Papo de Homem

A propaganda da liberdade

Incontinência/acrasia e a questão da ênfase de nossa sociedade na suposta “liberdade” individual.
Papo de Homem

Suicídio: sem justificativa

Em nossa cultura cada vez mais secular, o suicídio é progressivamente menos julgado como uma questão moral, de ação e deliberação: torna-se o mero produto de uma doença. Isso com certeza tem o lado positivo de poder ajudar a família a encontrar algum tipo de consolo, já que, ao menos em grande parte, as questões de saúde estão fora de seu controle. Mas, por outro lado, não lida com os fortes impactos culturais desta ação.

Papo de Homem

De Paulo Coelho a James Joyce:
resumindo as coisas a um twit

Paulo Coelho diz que daria para resumir Ulisses, de James Joyce, a um twit... Dá para dizer mais que um twit disso?
tzal.org

Recomendações para contato

Algumas dicas se você tiver interesse em trocar umas ideias.
tzal.org

Voltando ao mundo

É preciso ir além da dualidade, e ao mesmo tempo é preciso ir além da não dualidade. É preciso retornar para a dualidade: este é o objetivo final. É como nas figuras do boiadeiro: no final, retornamos ao mundo, de barriga cheia com o boi atrás. Aquela imagem, retornando ao mundo, é o ponto final. Temos a dualidade; então descobrimos a não dualidade devido à dualidade; e aí transcendemos tanto a não dualidade quanto a dualidade por causa delas mesmas. ~ Chögyam Trungpa in The Teacup and the Skullcup
chagdud.org

Prece Sampa Lundrupma

Oração a Guru Rinpoche para pacificar desastres e dificuldades coletivas em larga escala
Soundcloud

A mente é o pano de fundo

Ensinamento de S. Ema. Chagdud Tulku Rinpoche e tradução por Lama Sherab Drolma

Facebook

Google Senciente

(Acho melhor começar a elogiar o Google desde já, porque quando ele ficar consciente, quero que ele seja meu amigo.) Oi Google, viu como eu sou legal e esperto? Tá fazendo meditação? Reflete sobre a impermanência? Pensa no bem de todos os seres? Não vai dar uma de HAL 9000, tá? // E o Google responde: "Meu nome não é Google, meu nome é Zé Alphabetinho."
YouTube

A diferença entre atravessar a rua
em Copenhague e São Paulo

Atravessar a rua em Copenhague é uma experiência muito chocante para quem vem de São Paulo por uma série de motivos (vídeo feito por Cidades para pessoas)
YouTube

Arquitetura da Destruição

Arquitetura da Destruição está consagrado internacionalmente como um dos melhores estudos já feitos sobre o nazismo no cinema. O filme de Peter Cohen lembra que chamar a Hitler de artista medíocre não elimina os estragos provocados pela sua estratégia de conquista universal. O veio artístico do arquiteto da destruição tinha grandes pretensões e queria dar uma dimensão absoluta à sua megalomania. Hitler queria ser o senhor do universo, sem descuidar de nenhum detalhe da coreografia que levava as massas à histeria coletiva a cada demonstração. O nazismo tinha como um dos seus princípios fundamentais a missão de embelezar o mundo. Nem que, para tanto, destruísse todo o mundo.
pragmatismopolitico

Fernando Meirelles: 'Nossos
sonhos não cabem no capitalismo'

Para Fernando Meirelles, a reconstrução da política exige superar lógicas que associam felicidade e sucesso a consumo e acumulação sem fim. Confira abaixo a entrevista completa com o renomado cineasta

Um mapa mental público

Este é o site pessoal e portfólio de Padma Dorje, Eduardo Pinheiro, um tradutor e programador que vive em Porto Alegre e se interessa por budismo1Em particular a madhyamaka (prasangika, svatantrika, yogachara-svatantrika), o vajrayana (em particular a relação com ao uso peculiar da linguagem e as hagiografias), o dzogchen (e por extensão a tradição nyingma, e também a relação de dzogchen, zen budismo e taoísmo), e polêmicas como as críticas de Gedun Chöpel ao realismo, shentong-rangtong, a noção absurda de budismo "não engajado" que surje por extensão da noção de "budismo engajado", meta-ética budista, budismo e sexualidade, budismo e filosofia, budismo e consumo, política budista, greco-budismo, "linguagem crepuscular" no vajrayana etc., cultura anglófila e ianque2Americana, science fiction (clássica, surrealista, new wave, cyberpunk), contracultura, geração beat, tensões étnicas e arte, blues, swinging London, Inglaterra vitoriana, sátira, wit, William Blake, Finnegans Wake, Aldous Huxley, Vonnegut, K. Dick, Samuel R. Delany, J. G. Ballard, Asimov, Heinlein, Cory Doctorow, XKCD., teoria estética japonesa3Wabi-sabi, iki, shakuhashi., nuberu bagu4Hiroshi Teshigahara, Shohei Imamura, Masahiro Shinoda., teoria do humor5Análise do humor, stand-up, biografia e humor, faux pas, teoria ôntico-epistêmica do humor, antihumor, non sequitur, nonsense, ritual clown, onomasti komodein, parrésia e humor; Woody Allen, Louis C.K., Steven Wright, Garry Shandling, Richard Pryor, Larry David, Seinfeld, Dr. Katz, Stephen Colbert, Jon Stewart, Kids in the Hall, Monty Python., etnometodologia e gonzo, economia da atenção6Comodificação do tempo, poluição da atenção, mind kipple, externalismos existenciais, cultura de déficit de atenção e hiperatividade, consumo consciente, heurística e deficientes tecnológicos., usabilidade, democracia direta, criticalidade auto-organizada, teoria dos jogos, teoria da propriedade (especialmente propriedade intelectual)7Partido Pirata, bens imateriais, bens pelos quais não se compete, lucros presumidos, micropatronagem., "pessoalidade corporativa" e accountability, cripto-anarquismo8Cypherpunks, bitcoin, neutralidade, anonimidade, guerra dos dispositivos de computação geral., distopias91984, Brave New World, Utopia, Cândido, Brazil, Soylent Green etc., linguística10Psicolínguística, evidential markers, modalidades epistêmicas, epistemic mood, mirativo, autoantônimos, impacto cultural da hipótese de Sapir-Whorf. e filosofias da mente11Autoengano, acesso privilegiado, inteligência artificial, zumbis, argumentos contra o funcionalismo, o emergentismo e o epifenomenalismo., da linguagem12Argumentos da linguagem privada, divisão do trabalho linguístico, contextualismo semântico, antiessencialismo, linguagem indireta, ironia. e da ciência13Antirrealismo, problemas do fisicalismo e do reducionismo, causação vs. correlação, epistemologia da estatística., bem como "metafilosofia"14Racismo filosófico, natureza dos problemas filosóficos, antifilosofia (principalmente como algo "bom")..


Destaques

• Em Algumas respostas sobre o Budismo se encontram cerca de 800 perguntas e respostas sobre a pouco entendida tradição (que sequer é fácil definir como religião, ciência ou filosofia). Outros textos sobre o assunto podem ser encontrados na seção Budismo.

• Escrito originalmente no fim dos anos 90, uma crítica do suposto uso legítimo de drogas alucinógenas ("psicodélicos", "enteógenos") no contexto religioso causou intenso debate em vários fóruns em português, e vai desde o questionamento do relativismo cultural até a questão da definição de espiritualidade.

• Uma lista com links para todos meus artigos escritos sob encomenda e publicados em outros sites.

No mapa do site podem ser encontrados todos os cerca de 170 artigos organizados por categorias. Tenha em mente que este site contém mais de 260.000 palavras, que se impressas resultariam um livro de mais ou menos 600 páginas (estes números não incluem os links para artigos externos pelo mesmo autor, o que dobraria as quantias).


Tecnologia

Este site foi desenvolvido a partir da API do Simplenote em PHP, permitindo a fácil atualização mesmo em dispositivo móvel. A velocidade no lado do servidor é garantida por um parsing em PHP que "compila" dinamicamente o conteúdo e a estrutura (árvore de categorias, palavras-chave) por completo, a escrevendo em html simples, o que elimina a necessidade de acesso a um banco de dados e o uso exagerado de lógica de programação durante o carregamento das páginas.


Definição de "tzal"

Tzal (tibetano transliterado em wylie rtsal, grafado foneticamente tanto como tsal quanto como tzal, e algumas vezes como tsel, skt. prabala) significa energia externa, habilidade, trabalhar, funcionar, dinâmica existencial, potência, poder, projeção externa, criatividade, reflexão, poder de manifestação, destreza, agilidade, força, feito, talento, ato, exibição, poder de manifestação da natureza da mente. Indica a capacidade própria da energia de se manifestar ou se projetar externamente, como um cristal iluminado por um raio de luz produz inúmeros arcos de luz coloridos ao seu redor.15Fonte: definição de tzal, em inglês. Esta discussão, também em inglês, também é interessante.


1. ^ Em particular a madhyamaka (prasangika, svatantrika, yogachara-svatantrika), o vajrayana (em particular a relação com ao uso peculiar da linguagem e as hagiografias), o dzogchen (e por extensão a tradição nyingma, e também a relação de dzogchen, zen budismo e taoísmo), e polêmicas como as críticas de Gedun Chöpel ao realismo, shentong-rangtong, a noção absurda de budismo "não engajado" que surje por extensão da noção de "budismo engajado", meta-ética budista, budismo e sexualidade, budismo e filosofia, budismo e consumo, política budista, greco-budismo, "linguagem crepuscular" no vajrayana etc.

2. ^ Americana, science fiction (clássica, surrealista, new wave, cyberpunk), contracultura, geração beat, tensões étnicas e arte, blues, swinging London, Inglaterra vitoriana, sátira, wit, William Blake, Finnegans Wake, Aldous Huxley, Vonnegut, K. Dick, Samuel R. Delany, J. G. Ballard, Asimov, Heinlein, Cory Doctorow, XKCD.

3. ^ Wabi-sabi, iki, shakuhashi.

4. ^ Hiroshi Teshigahara, Shohei Imamura, Masahiro Shinoda.

5. ^ Análise do humor, stand-up, biografia e humor, faux pas, teoria ôntico-epistêmica do humor, antihumor, non sequitur, nonsense, ritual clown, onomasti komodein, parrésia e humor; Woody Allen, Louis C.K., Steven Wright, Garry Shandling, Richard Pryor, Larry David, Seinfeld, Dr. Katz, Stephen Colbert, Jon Stewart, Kids in the Hall, Monty Python.

6. ^ Comodificação do tempo, poluição da atenção, mind kipple, externalismos existenciais, cultura de déficit de atenção e hiperatividade, consumo consciente, heurística e deficientes tecnológicos.

7. ^ Partido Pirata, bens imateriais, bens pelos quais não se compete, lucros presumidos, micropatronagem.

8. ^ Cypherpunks, bitcoin, neutralidade, anonimidade, guerra dos dispositivos de computação geral.

9. ^ 1984, Brave New World, Utopia, Cândido, Brazil, Soylent Green etc.

10. ^ Psicolínguística, evidential markers, modalidades epistêmicas, epistemic mood, mirativo, autoantônimos, impacto cultural da hipótese de Sapir-Whorf.

11. ^ Autoengano, acesso privilegiado, inteligência artificial, zumbis, argumentos contra o funcionalismo, o emergentismo e o epifenomenalismo.

12. ^ Argumentos da linguagem privada, divisão do trabalho linguístico, contextualismo semântico, antiessencialismo, linguagem indireta, ironia.

13. ^ Antirrealismo, problemas do fisicalismo e do reducionismo, causação vs. correlação, epistemologia da estatística.

14. ^ Racismo filosófico, natureza dos problemas filosóficos, antifilosofia (principalmente como algo "bom").

15. ^ Fonte: definição de tzal, em inglês. Esta discussão, também em inglês, também é interessante.




Se você vê mérito nos tópicos tratados, divulgue — comente e partilhe nas redes sociais. É uma prática de generosidade que ajuda na minha própria prática de generosidade de produzir e disponibilizar esse conteúdo. Outras formas de ajudar.




tzal.org é produzido por Padma Dorje.

e-mail

perfil no Facebook











Banco do Brasil (001)
ag 3.240-9 cc 123.017-4





todo conteúdo, design e programação por Eduardo Pinheiro, 2003-2018
(exceto onde esteja explicitamente indicado de outra forma)
Licença Creative CommonsEste obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Por favor, quando divulgar algo deste site, evite copiar o conteúdo todo de um texto; escolha um trecho de um ou dois parágrafos e coloque um link. O material aqui é revisado constantemente, e páginas repetidas na internet perdem ranking perante o Google (a sua e a minha).

https://tzal.org/