contain  multitudes
budismosobre mimtraduçãoartigoslivrosmúsicapatronagemagendamapa do site
Home > Budismo > Citações > Citações de Chögyam Trungpa Rinpoche

Citações de Chögyam Trungpa Rinpoche

O jogo do autoengano

Autoengano significa tentar recriar uma experiência passada vez após vez, em vez de realmente vivenciar a experiência no momento presente. De forma a ter a experiência agora, seria preciso abandonar a avaliação de que o passado tenha sido tão maravilhoso, uma vez que é esta memória que a mantém à distância. Caso tivéssemos a experiência de forma contínua, seria bem comum, e é essa qualidade comum que não conseguimos aceitar. Nos mantemos ocupados lembrando a maravilhosa experiência de abertura que tivemos no passado. Este é o jogo do autoengano. (AME)

...

Voltando ao mundo

É preciso ir além da dualidade, e ao mesmo tempo é preciso ir além da não dualidade. É preciso retornar para a dualidade: este é o objetivo final. É como nas figuras do boiadeiro: no final, retornamos ao mundo, de barriga cheia com o boi atrás. Aquela imagem, retornando ao mundo, é o ponto final. Temos a dualidade; então descobrimos a não dualidade devido à dualidade; e aí transcendemos tanto a não dualidade quanto a dualidade por causa delas mesmas. (TCSK)

...

A meditação não é um sedativo, é um laxante.

...

Samaya

Samaya não tem nada a ver com manter algum território em particular. É por isso que compreender o sentido de samaya é tão importante. Samaya é uma ausência de território que é capaz de cortar completamente todos os tipos de falsidades e mentiras. Uma vez que não há território, não há ganho nenhum, nem liberação.

O guru é, deste ponto de vista, o executor, e ao mesmo tempo o guru é a pessoa que o inspira. O guru é o iniciador ou o preceptor da abhisheka, aquele que é capaz de nos levar ao reino do corpo, fala e mente de nossa natureza búdica inerente. O guru pode fazer essa natureza búdica vir à tona.

A experiência completa do samaya só pode ocorrer totalmente quando o aluno recebe iniciação. Ainda assim, o princípio básico do samaya surge quando se está prestes a entrar na disciplina do vajrayana, quando se está prestes a começar a prática.

Neste ponto já há um laço formado, que consiste na sua própria confiança nos ensinamentos, e na confiança do professor em sua sinceridade. Combinar estes dois aspectos da confiança – o do aluno e o do professor – é o que cria o mundo Vajra. Há um sentido de compromisso, e uma disposição de aceitar o mundo vajra e saltar nele. Este compromisso parece muito importante, mesmo antes do aluno decidir praticar o ngondro, ou qualquer outra prática preliminar.

O princípio do samaya é atar; é um voto que existe entre o aluno e o professor. Basicamente, o mestre vajra e o aluno do Vajrayana se unem num caso amoroso instigado pelas várias deidades tântricas.

No Vajrayana, estudamos e trabalhamos com diferentes princípios de deidades, e nos tornamos parte de seu mundo, mas isto não está baseado no culto a nenhum deus.

As deidades tântricas são parte de nossa natureza inata, enquando brilha por todas as coisas e é vivenciada. No vajrayana, estamos celebrando essa experiência de forma adequada e completa. É bastante comovente.

A força inerente no laço samaya está baseada no fato de que ninguém está enganando ninguém. É a realidade no sentido mais completo. O mestre vajra e o aluno vajra tomaram o voto de mútuo acordo, e caso o mestre vajra ou o aluno vajra violá-lo, ambos sofrerão nos reinos inferiores: no reino dos animais, no reino dos infernos, ou no reino dos fantasmas famintos. Portanto, esse laço em particular, o samaya, é muito importante e poderoso.

O interessante no que diz respeito ao laço samaya é que quanto mais liberdade se vivencia, mais atado se fica. Quando mais se desenvolve abertura e o soltar-se de ou abandonar o ego, na mesma medida aumenta o compromisso com o mundo da sanidade. Portanto, aluno e professor seguem atados juntos eternamente.

O samaya não só nos ata por fora, como um cinto que se pode colocar, mas ao mesmo tempo nos ata por dentro. Caso abandonemos o laço, nos descobrimos sobre a boca de um coletor de lixo, prestes a sumir pelo ralo. Porém, caso alguém mantenha o laço constantemente, e permeça atados em união ao professor, os dois seguem em frente em sua jornada.

Podemos na verdade aceitar isso e nos erguer no mundo vajra, cheios de deleite, confiança, e sanidade. E finalmente, transcendemos o mundo vajra, e vamos além até mesmo do nível dharmakaya, e atingimos sanidade absoluta. Neste momento, o laço é desfeito, e nos unimos com a sabedoria coemergente. (TPIW)

...

AME - Além do Materialismo Espiritual
TPIW - The Tantric Path of Indestructible Wakefulness
TCSK - The Teacup and the Skullcup




Some content is available in English.

Se você vê mérito nos tópicos tratados, divulgue — comente e partilhe nas redes sociais. É uma prática de generosidade que ajuda na minha própria prática de generosidade de produzir e disponibilizar esse conteúdo. Outras formas de ajudar.



Ao clicar no curtir/like acima você curte o site todo, para curtir o conteúdo especifico, procure pelo botão ao final do texto.



autor

tzal.org é produzido por Padma Dorje.

e-mail

@pdorje on twitter

perfil no Facebook







patronagem


Banco do Brasil (001)
ag 3.252-2 cc 23.017-0


Banrisul (041)
ag 0100 cc 35.220.185.0-6



direitos
todo conteúdo, design e programação por Eduardo Pinheiro, 2003-2017 (exceto onde esteja explicitamente indicado de outra forma)
Licença Creative Commons

Esta obra é licenciada com a Creative Commons Atribuição: Uso não comercial, compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License

Por favor, quando divulgar algo deste site, evite copiar o conteúdo todo de um texto; escolha um trecho de um ou dois parágrafos e coloque um link. O material aqui é revisado constantemente, e páginas repetidas na internet perdem ranking perante o Google (a sua e a minha).