contain  multitudes  •  por  Padma  Dorje  •  fundado  em  2003
contain  multitudes
Home > Budismo > Artigos > Peculiaridade e Vazio

Peculiaridade e Vazio

Uma dificuldade comum em pessoas com parco entendimento intelectual do darma é confundir ausência de forma com vacuidade. O Sutra do Coração da Abençoada Prajnaparamita claramente, no entanto, diz “vacuidade nada mais é do que forma”, e assim por diante. Esta confusão de uma mera ausência de conteúdos com realização espiritual ou realidade última apenas é cometida por principiantes.

Evidentemente, a fixação na ausência de forma é uma característica dos reinos da não forma, parte do samsara.

No entanto, entre pessoas relativamente educadas no darma, parece haver uma versão um tanto mais insidiosa de um mal-entendido quanto a “ausência de elaboração”, que produz o hábito de certa preferência por universidade ou generalidade.

A peculiaridade não sendo reconhecida ela mesma como uma expressão da liberdade, acaba surgindo uma parcialidade quanto a uma ausência de fixação, que em si só é uma forma de elaboração. Em outras palavras, a vacuidade se torna uma mera não fixação a formas específicas, enquanto deveria ser uma não fixação em meio a até mesmo formas específicas.

Não deveria haver nenhuma má vontade contra formas específicas, uma vez que generalidade e especificidade são também apenas vacuidade.

Isso se expressa mais fortemente no mau entendimento de certos meios hábeis no vajrayana, todos eles dependendo claramente da liberdade em meio a mais estrita peculiaridade (uma forma específica de cada vez). No extremo, se torna um vale tudo universalista, assemelhado a tendências new age, onde o compromisso e o refúgio são tidos como aprisionamento, e uma eterna falta de coerência caótica assumida como “liberdade”.

Numa forma mais branda, pode incomodar que o professor tenha seu modo próprio, e sua própria caixa de ferramentas. A solução é não esperar usar um martelo para até mesmo aparafusar, nem também achar que haverá uma ferramenta pronta para todo e qualquer caso.

No extremo, a expressão de nosso próprio mérito é por natureza peculiar, e embora nos fixemos a certas expectativas e entendimentos, o que nos limita, também não precisamos esperar uma plataforma livre de marcas características. A ânsia por uma generalidade numa ausência total de marcas e características não é a verdadeira liberdade de marcas e características – que só pode se dar em meio as tais marcas e características, que são inevitáveis. Mesmo a ausência deliberada de marcas e características é uma marca e característica: assim se dá até mesmo na expressão de “simplicidade” do zen budismo, onde existe um sem número de peculiaridades, ainda que o valor pretendido seja muitas vezes uma expressão sem face.

A tentativa de tornar o darma palatável, o populismo do darma, a universalização e promulgada não religiosidade, a “ausência de marcas”, e assim por diante, são ferramentas de marketing, não a Prajnaparamita livre de elaborações. A Prajnaparamita livre de elaborações é absolutamente íntegra num sabor específico, seja de baunilha ou de cereja. Não é necessário eliminar o sabor, a marca característica, para revelar a ausência de elaboração. Fazer isso é novamente se fixar num sabor específico, apenas agora insípido.


YouTube

O Buda Existiu?

Há alguma dúvida do príncipe Sidarta Gautama ter caminhado sobre essa terra? Além disso, e mais interessante, qual é a visão budista do conceito de “existência”?
tzal.org

Sugestão de Termo: “Nontologia”

Breve discussão do status não metafísico do budismo.
Buda Virtual

Budismo, Soro Antifilosofídico

Sobre a relação do budismo com a academia, em particular com a filosofia e a psicologia.
Buda Virtual

A Crença Infundada em uma Realidade Externa

Na visão budista o realismo muitas vezes é afirmado como uma crença injustificada, e uma forma aguda de ignorância. Como pode isso? Como a refutação de algo tão essencial a quem tem olhos, ouvidos, etc., surgiu por adaptação evolucionária e produziu linguagem pode ter uma variante não patológica?

• Budismo

Artigos

115 coisas que me inspiram no darma

A Pseudo-espiritualidade do Rudra “Osho”

Acumulando Méritos

Artigos sobre budismo em outros websites

Ausência de eu, identidade e interdependência

Bodisatva Petralha

Buda Rebelde: minha experiência de tradução do livro e algo sobre as quatro confianças

Budismo e Palavras Carregadas

Budismo e Segredo

Budismo e jogos

Budista de direita é fajuto

Citações budistas curtas

Conversa sobre sectarismos e conceptualização

Delusão: como a mente se engana

Distorções Comuns

Estratégias Tabajara da McMindfulness

Força própria vs. força do outro

Fé e inserção do budismo tibetano no mundo moderno

Iluminação? Depois do Futebol

Lista das paramitas e algumas considerações sobre tradução

Mal tocou no gelo e já se acha geladeira

No que depositar confiança?

Notas sobre o Encontro Ocidente e Oriente na PUC-RS

O Pseudo-budismo do Rudra “Osho”

O Triste Caso de Nellson Ribeiro (“Padma Querido”)

O que é “realização” no budismo?

O sentido do termo “reificar”

O uso do termo “oriental”: o politicamente correto e o budismo

O “problema difícil” e o budismo

Peculiaridade e Vazio

Por que a experiência é superior à inferência?

Por que o darma não é relativista

Prostrações

Qual o problema com Alan Watts?

Recomendações de livros sobre budismo

Recomendações para quem quer iniciar no budismo

Renúncia, compaixão e visão pura

Sobre o Madhyantavibhanga de Maitreya

Sugestão de Termo: “Nontologia”

Taxonomias do Darma do Buda

Uma Definição de Budismo

Uma Resposta sobre Nichiren

Viver o Momento

“A mente cria tudo”? Não como você pensa

Perguntas & Respostas




Se você vê mérito nos tópicos tratados, divulgue — comente e partilhe nas redes sociais. É uma prática de generosidade que ajuda na minha própria prática de generosidade de produzir e disponibilizar esse conteúdo. Outras formas de ajudar.
tzal.org é produzido por
Padma Dorje.

e-mail

boletim informativo

Tendrel: conexões auspiciosas
canal no YouTube




Banco do Brasil (001)
ag 3.240-9 cc 123.017-4



Sugestões de patronagem recorrente (mensal):








todo conteúdo, design e programação por Eduardo Pinheiro, 2003-2019
(exceto onde esteja explicitamente indicado de outra forma)
Licença Creative CommonsEste obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Por favor, quando divulgar algo deste site, evite copiar o conteúdo todo de um texto; escolha um trecho de um ou dois parágrafos e coloque um link. O material aqui é revisado constantemente, e páginas repetidas na internet perdem ranking perante o Google (a sua e a minha).

https://tzal.org/peculiaridade-e-vazio/