contain  multitudes  •  por  Padma  Dorje  •  fundado  em  2003
contain  multitudes
Home > Budismo > Artigos > Mal tocou no gelo e já se acha geladeira

Mal tocou no gelo e já se acha geladeira

Atualmente conheço mais gente que busca a meditação1Aqui se aplica "mindfulness" ou qualquer forma de cultivo mental. como profissão do que como prática.

Na verdade, fora quem se interessa por budismo ou se identifica como budista (ou de outra religião), todas as pessoas que conheço que praticam meditação (entendida aqui como qualquer treinamento da mente, mindfulness, e todas essas variações laicas), ou mesmo falam no assunto, são ou aspiram ser professores destas técnicas, com viés profissional.

Meditação virou carreira. E é só fazer uns workshops, ou talvez só botar uma placa mesmo — fazer uns folders, mandar e-mail. Nada de 300h de vôo para tirar um brevê.

Os professores laicos de meditação que conheço são — sem exceção até onde posso lembrar — também extremamente inexperientes em meditação em comparação com qualquer budista de quinta categoria que fez um, dois ou três meses de de shamata. (~1000h — sendo que a tradição budista vê o número de 50 mil horas na almofada como um bom indício de que esta prática está consumada, o que não significa necessariamente estar nem um pouco perto de se tornar um Buda, ou mesmo um Bodisatva, ou mesmo um Arhat, ou mesmo um grande professor do darma, ou um pequeno professor do darma. É um praticante bastante dedicado, que pode ter desenvolvido algumas qualidades com a prática.)

Quando pensei em escrever isso, eu ia dizer que era uma grande maioria de interessados em "meditação laica" que buscava ensinar meditação. Daí tentei encontrar uma única pessoa que eu conhecesse que se interessa por esse tipo de prática e não a ensina ou quer ensinar. Aparentemente, a "compaixão" é muito forte, e após duas ou três sessões de 5 min, a pessoa resolve que talvez seja a hora de juntar um grupo — primeiro com contribuições espontâneas, claro, até a pessoa formar um nome e ficar concorrida. A não ser que já tenha uma credencial qualquer, daí já pode fazer curso para formar outros professores. É quase uma pirâmide, Amway, ou algo assim.

Por um lado, isso não implica necessariamente o materialismo, charlatanismo ou mero interesse pessoal dessas pessoas, mas sim o fato de que profissões com sentido são extremamente escassas, e profissões de todo tipo já não são tão comuns. Mesmo que a pessoa tenha uma formação específica... "entrar na correnteza" se torna captar o modismo que pode dar aquele diferencial para um consultório ou consultoria... Então a pessoa pensa "ora, eu acho isso benéfico, não parece algo difícil, vamos colaborar com o mundo, e quem sabe sobra um troco para mim".

Aí, aqui vale o conselho que, quando me pedem, já dei várias vezes. Quer ensinar meditação? Faça alguns milhares de horas, com um professor que fez algumas dezenas de milhares de horas. De preferência, numa "escola" que tenha alguns milênios de horas somadas.

Quer praticar meditação? Procure um instrutor, e averigue se, além de ter uns papeis na parede, ele fez mesmo prática. Sim, você só quer fazer 5-20 minutos por dia, e se você não quer ensinar, nem atingir resultados extraordinários, como vencer aflições mentais e desenvolver ao máximo qualidades como a compaixão, realmente não precisa somar milhares de horas. Esse tempinho, de forma consistente, vai ser boa higiene mental, reduzir estresse, ajudar você a jogar videogame melhor, brigar menos no trânsito, tratar melhor o cachorro, essas coisas.

Mas mesmo para praticar esse tempinho mínimo aí, melhor ter professor — e não pegar qualquer "iniciante credenciado" de professor.

Porém, se você quer ensinar, aí é diferente. Seria bom conviver com a ampla variedade de experiências que surgem durante a meditação, e mesmo com um grupo de pessoas que passou por essas miríades de experiências boas, neutras e ruins por um bom tempo.

Além disso, o ideal seria não cobrar por "aulas" de meditação ou certificados, mas permitir contribuição espontânea. Meditação é a coisa mais barata que existe, e o recurso principal é sua própria mente. Se você for investir num professor, não caia em roubada — teste como se testa ouro: com ácido. Afinal, é como você vai tratar sua própria mente que está em jogo.

(E não, eu não ensino meditação.)



1. ^ Aqui se aplica "mindfulness" ou qualquer forma de cultivo mental.


Papo de Homem

Slavoj Žižek: Velhacaria Hipster

Sobre o charlatanismo do “Charlie Sheen da filosofia” esloveno e uma crítica pontual de suas visões sobre o budismo.
Buda Virtual

O que é ser um bom praticante

Essa resposta tem três partes. A primeira coisa a esclarecer é a tradição budista, mas particularmente tibetana, de autorrebaixamento. Então é preciso dizer um pouco sobre proporções e magnitude, e o fato de se estar satisfeito com a própria prática ser visto como um obstáculo. Enfim, é preciso explicitar a diferença, que existe apenas para iniciantes como eu, entre prática formal e prática informal, e talvez tentar dizer o que é efetivamente prática para um iniciante.
tzal.org

Jack Kerouac e o Budismo

Resposta a seguinte pergunta: “Já leu o livro Os Vagabundos do Dharma 'The Dharma Bums' de Jack Kerouac? Qual a ligação deste livro com o darma?”
tzal.org

Budista de carro de aplicativo

A pessoa se interessa pelo darma, mas o interesse não chega a ser suficiente. Como atingir um nascimento humano precioso?

• Budismo

Artigos

A Pseudo-espiritualidade do Rudra “Osho”

Acumulando Méritos

Artigos sobre budismo em outros websites

Ausência de eu, identidade e interdependência

Bodisatva Petralha

Buda Rebelde: minha experiência de tradução do livro e algo sobre as quatro confianças

Budismo e Palavras Carregadas

Budismo e Segredo

Budismo e jogos

Budista de direita é fajuto

Citações budistas curtas

Conversa sobre sectarismos e conceptualização

Delusão: como a mente se engana

Distorções Comuns

Estratégias Tabajara da McMindfulness

Estudo de O Farol da Certeza de Mipam

Força própria vs. força do outro

Fé e inserção do budismo tibetano no mundo moderno

Iluminação? Depois do Futebol

Jack Kerouac e o Budismo

Lista das paramitas e algumas considerações sobre tradução

Mal tocou no gelo e já se acha geladeira

No que depositar confiança?

Notas sobre o Encontro Ocidente e Oriente na PUC-RS

O Triste Caso de Nellson Ribeiro (“Padma Querido”)

O que é “realização” no budismo?

O sentido do termo “reificar”

O uso do termo “oriental”: o politicamente correto e o budismo

O “problema difícil” e o budismo

Peculiaridade e Vazio

Por que a experiência é superior à inferência?

Por que o darma não é relativista

Prostrações

Qual o problema com Alan Watts?

Recomendações de livros sobre budismo

Recomendações para quem quer iniciar no budismo

Renúncia, compaixão e visão pura

Sobre o Madhyantavibhanga de Maitreya

Sugestão de Termo: “Nontologia”

Taxonomias do Darma do Buda

Uma Definição de Budismo

Uma Resposta sobre Nichiren

Viver o Momento

“A mente cria tudo”? Não como você pensa

Perguntas & Respostas




Se você vê mérito nos tópicos tratados, divulgue — comente e partilhe nas redes sociais. É uma prática de generosidade que ajuda na minha própria prática de generosidade de produzir e disponibilizar esse conteúdo. Outras formas de ajudar.
tzal.org é produzido por
Padma Dorje.

e-mail

boletim informativo




Banco do Brasil (001)
ag 3.240-9 cc 123.017-4



Sugestões de patronagem recorrente (mensal):








todo conteúdo, design e programação por Eduardo Pinheiro, 2003-2020
(exceto onde esteja explicitamente indicado de outra forma)
Licença Creative CommonsEste obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Por favor, quando divulgar algo deste site, evite copiar o conteúdo todo de um texto; escolha um trecho de um ou dois parágrafos e coloque um link. O material aqui é revisado constantemente, e páginas repetidas na internet perdem ranking perante o Google (a sua e a minha).

https://tzal.org/mal-tocou-no-gelo-e-ja-se-acha-geladeira/