contain  multitudes
budismosobre mimtraduçãoartigoslivrosmúsicapatronagemagendamapa do site
Home > Budismo > Traduções > Contos de um Vagabundo Iluminado > Faça Suas Próprias Oferendas

Faça Suas Próprias Oferendas

O professor de Patrul Rinpoche foi o ilustre iogue, o ultrajante mestre dzogchen Do Khyentse.

Tormas são bolos cônicos feitos de farinha torrada de centeio e são utilizados em vários ritos de oferenda. Estes bolos vermelhos e brancos simbolizam a união inseparável de meios hábeis e sabedoria, êxtase e vacuidade. Oferecer e, então, espalhar tormas representa a dispersão da ilusão do ego.

CERTO DIA DZA PATRUL, PASSEANDO anonimamente disfarçado de mendigo, chegou para visitar seu mestre Doe Khyentse. Ao chegar, deparou-se com um lama fazendo tormas na cozinha do acampamento do mestre.

Quando Patrul Rinpoche perguntou ao lama se podia ver Doe Khyentse, o lama, olhando de lado para o mendigo esfarrapado diante dele, disse: "Oh, claro, marcarei uma entrevista para ti, não te preocupes. Enquanto isso, não te importarias de ajudar com essas tormas?". Então o lama saiu, rindo sozinho, enquanto Patrul fazia os bolos para ele.

Como não encontrou manteiga para pintar a torma branca, mas bastante tintura vermelha para as vermelhas, o indiscutivelmente erudito Patrul pintou uma torma vermelha que — pelo formato — todos saberiam que deveria ter sido pintada de branco. Mesmo seu nome, kartor, significaria torma branca, exigindo que fosse branca... Mas agora era vermelha.

Quando o lama finalmente retornou, ficou muito satisfeito de ver que o mendigo havia feito todo o trabalho... até que percebeu que uma kartor havia sido pintada de vermelho, e não de branco.

"Que burrice é essa?", berrou o lama.

Patrul Rinpoche gentilmente respondeu: "Poderia dizer, bom senhor, a razão ritual pela qual ela não pode ser vermelha e precisa indiscutivelmente ser branca?".

"O quê!?", explodiu o lama, movendo seus olhos injetados vermelhos para cima, exasperado. "Não só esse imundo vagabundo faz esses erros idiotas, mas ainda por cima é sem-vergonha ao ponto de me questionar!". Então começou a surrar o mendigo e chutou-o para fora.

"Pode esquecer do encontro com Do Khyentse enquanto eu estiver por perto!", berrou o lama para a esquiva figura de Patrul Rinpoche, que desapareceu na floresta.

Aquela noite Do Khyentse Rinpoche perguntou se alguém havia vindo visitá-lo durante o dia, já que — devido a uma premonição que recebeu num sonho — aguardava ansiosamente ver seu protegido especial, seu filho espiritual Patrul Rinpoche. Seus seguidores informaram que ninguém havia chegado durante todo o dia.

Porém, quando o mestre clarividente insistiu que alguém precisava ter vindo, o lama que estava fazendo as tormas na cozinha finalmente abriu a boca, contando a Do Khyentse que, de fato, um mendigo havia chegado à cozinha pedindo esmolas em troca de trabalho, mas que ele havia sido mandado embora quando cometeu o erro de pintar uma torma branca de vermelho!

"Aquele era Dza Patrul, idiota!", trovejou Do Khyentse, que era conhecido por sua ira tanto quanto por sua sabedoria e compaixão. "Traga-o aqui imediatamente. Não me encontrarei com ninguém até que o veja!".

Os servos tiveram que encontrar o mendigo e persuadi-lo a retornar, a convite explícito de Do Khyentse.

Quando finalmente Patrul chegou à presença de seu mestre na manhã seguinte, Do Khyentse colocou-o no trono de ensinamentos e reverentemente pediu para que elucidasse o texto clássico chamado "O Guia da Conduta do Bodisatva" (Bodhicharyavatara), de Shantideva, para o qual os comentários de Patrul eram famosíssimos.

Perante uma vasta assembleia, Patrul Rinpoche expôs o clássico, explicando a bodicita (a aspiração altruísta da iluminação) em especial, juntamente com todos as suas formas e sentidos. Então ele disse, enquanto seu envergonhado companheiro de pintura de tormas escondia, sob o manto monástico vermelho, a cara agora da mesma cor do manto: "E apesar de todos hoje em dia falarem maravilhas sobre a mente altruísta da iluminação, ainda há alguns entre nós que nem sequer sabem o significado das tormas rituais que estão pintando tão orgulhosos, embora saibam muito bem como bater naqueles que os questionam".

Do Khyentse gargalhou; pela clarividência, ele sabia perfeitamente o que havia ocorrido na cozinha no dia anterior. Exclamou então: "Maravilha! Está aí um trecho de Shantideva que eu nunca tinha ouvido antes!".




Some content is available in English.

Se você vê mérito nos tópicos tratados, divulgue — comente e partilhe nas redes sociais. É uma prática de generosidade que ajuda na minha própria prática de generosidade de produzir e disponibilizar esse conteúdo. Outras formas de ajudar.



Ao clicar no curtir/like acima você curte o site todo, para curtir o conteúdo especifico, procure pelo botão ao final do texto.



autor

tzal.org é produzido por Padma Dorje.

e-mail

@pdorje on twitter

perfil no Facebook







patronagem


Banco do Brasil (001)
ag 3252-2 cc 23.017-0


Banrisul (041)
ag 0100 cc 35.220.185.0-6



direitos
todo conteúdo, design e programação por Eduardo Pinheiro, 2003-2017 (exceto onde esteja explicitamente indicado de outra forma)
Licença Creative Commons

Esta obra é licenciada com a Creative Commons Atribuição: Uso não comercial, compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License

Por favor, quando divulgar algo deste site, evite copiar o conteúdo todo de um texto; escolha um trecho de um ou dois parágrafos e coloque um link. O material aqui é revisado constantemente, e páginas repetidas na internet perdem ranking perante o Google (a sua e a minha).