contain  multitudes  •  por  Padma  Dorje  •  fundado  em  2003
contain  multitudes
Home > Budismo > Traduções > As Vidas dos 84 Mahasiddhas > 34. Kukkuripa

34. Kukkuripa

O Amante dos Cães

Onde o esforço consciente está presente
O Buda está ausente,
Assim, oferendas e rituais são futilidades.
Dentro da experiência de pico da graça do guru
O Buda está presente,
Mas perceberá o recipiente afortunado?

Em Kapilavastu vivia um Brâmane chamado Kukkuripa. Perplexo diante dos problemas da existência, ele veio a colocar sua confiança no Tantra, e em algum tempo escolheu o caminho da renúncia. Ele começou sua vida de nômade esmolando na direção das cavernas de Lumbini.

Um dia, na estrada que levava ao próximo vilarejo, ele ouviu um gemido fraco nos arbustos. Quando investigou, encontrou uma cadela jovem, tão faminta que não conseguia mais aguentar-se. Comovido, ele pegou-a e carregou-a consigo em sua longa jornada, compartilhando os conteúdos de sua cumbuca de esmolas, e deleitando-se ao vê-la crescer forte e saudável.

Ao chegar em Lumbini, Kukkuripa havia ficado tão acostumado a natureza afetuosa de sua simpática companhia que não conseguia imaginar-se sem ela. E então ele procurou por uma caverna vazia grande o suficiente para ambos. Cada dia, quando saía para esmolar, ela esperava em guarda, esperando pacientemente seu retorno.

Kukkuripa estava tão profundamente envolvido na contínua recitação de seu mantra, que doze anos se passaram tão rapidamente quanto um. Quase sem perceber, o iogue atingiu os poderes mágicos da clarividência e do insight divino. Mas os deuses dos Trinta-e-três Paraísos Sensoriais perceberam. De fato, estavam tão impressionados que o convidaram a celebrar suas conquistas com uma visita a seu paraíso. Lisonjeado, e maravilhado com esta atenção, ele aceitou o convite e embarcou numa infindável rotina de banquetes e prazeres indulgentes.

Na terra, sua fiel companhia canina aguardava pacientemente pelo retorno de seu mestre. Apesar de ter que procurar qualquer coisa para comer, ela nunca saiu de perto da caverna. E, na verdade, ela não havia sido esquecida. Apesar de sua existência luxuriante, Kukkuripa sentia muita falta de sua adorável companheira. Ele disse muitas vezes aos deuses que precisava retornar à caverna para cuidar dela.

Mas seus anfitriões celestes imploravam para que ficasse, dizendo: "Como podes sequer pensar em voltar para um cachorro numa caverna escura enquanto aproveitas nossos favores e todos os luxos e confortos que podemos oferecer? Não seja tolo — permaneça aqui conosco." Muitas vezes Kukkuripa deixou-se persuadir.

Mas um dia quando olhava para baixo dos Trinta-e-três paraísos, ele percebeu que seu fiel cão estava sofrendo por ele - seus olhos eram tristes, sua cauda estava caída, e ela estava tão magra que era possível ver suas costelas. O coração de Kukkuripa doeu por ela. Então naquele mesmo momento ele desceu do paraíso para reunir-se a ela na caverna.

A cadela saltou e brincou de alegria quando viu seu amado mestre. Mas logo que ele sentou e começou a acariciar seu local favorito, logo atrás das orelhas, ela desapareceu! Ali perante ele, banhada numa nuvem de glória, estava uma Dakini radiante de beleza.

"Isso mesmo!" ela gritou. "Isso mesmo! Tu provastes teu valor ao vencer a tentação. Agora que retornastes, é teu o poder supremo. Aprendestes que o poder mundano dos deuses é ilusório, pois eles ainda guardam a noção de um "eu". O reino deles é um reino de prazer defeituoso. Mas agora tua Dakini pode te conceder a realização suprema — prazer imaculado sem fim."

Assim ela ensinou a ele como alcançar a união simbólica de meios hábeis e visão pura. Enquanto uma visão irreversível, infalível, de imutabilidade crescia dentro de seu fluxo mental, ele realmente atingiu o estado de suprema realização.

Renomado como Guru Kukkuripa, o Amante dos Cães, ele retornou a Kapilavastu, onde viveu uma longa vida de serviço altruísta. Em tempo devido, ele ascendeu ao Paraíso das Dakinis com uma vasta comunidade de discípulos.

Traduzido por Padma Dorje em 1999, a partir de Masters of Mahamudra e Buddhist Masters of Enchantment, de Keith Dowman, Buddha's Lions: The Lives of the Eighty-Four Siddhas, de Abhayadatta, traduzido por James B. Robinson e Empowered Masters, de Ulrich Von Schroeder. Por favor envie sugestões e correções para padma.dorje@gmail.com. Alterado em 2015-06-28 21:33:54.





Se você vê mérito nos tópicos tratados, divulgue — comente e partilhe nas redes sociais. É uma prática de generosidade que ajuda na minha própria prática de generosidade de produzir e disponibilizar esse conteúdo. Outras formas de ajudar.
tzal.org é produzido por
Padma Dorje.

e-mail

boletim informativo

Tendrel: conexões auspiciosas
canal no YouTube




Banco do Brasil (001)
ag 3.240-9 cc 123.017-4



Sugestões de patronagem recorrente (mensal):








todo conteúdo, design e programação por Eduardo Pinheiro, 2003-2019
(exceto onde esteja explicitamente indicado de outra forma)
Licença Creative CommonsEste obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Por favor, quando divulgar algo deste site, evite copiar o conteúdo todo de um texto; escolha um trecho de um ou dois parágrafos e coloque um link. O material aqui é revisado constantemente, e páginas repetidas na internet perdem ranking perante o Google (a sua e a minha).

https://tzal.org/34-kukkuripa/