contain  multitudes  •  por  Padma  Dorje  •  fundado  em  2003
contain  multitudes
Home > Budismo > Traduções > As Vidas dos 84 Mahasiddhas > 10. Caurangipa

10. Caurangipa

O Desmembrado

Do tempo sem princípio, a árvore da ignorância
Têm sido regada pelas monções dos hábitos mentais.
Que grande rede de ilusão tornou-se!
Ouça. Pondere. Pratique.
Corte-a com o machado dos preceitos do Guru.

Caurangi era o filho de Devapala, um rei Indiano do Leste. Seu pai era um homem muito amável, e o jovem também era muito apegado a sua santa mãe. Quando ele tinha apenas doze, ela foi atingida por uma doença fatal, e ele foi convocado ao seu leito de morte. Com seu último suspiro, ela lhe ofereceu a essência de seus ensinamentos. "Todas as alegrias e tristezas estão enraizadas em dois tipos de ações - virtuosas e malignas," ela o aconselhou. "Mesmo se tua vida estiver em risco, nunca cometa mal." Ao dizer isto, morreu.

Em um ano, o Rei tomou uma jovem e bela mulher como esposa, mas ele também continuou suas práticas de meditação. Um dia, não muito depois de seu casamento, o rei retirou-se por um tempo para seu retiro na selva. A solitária jovem rainha caminhava pelo palácio familiarizando-se com sua nova casa e na noite fria subiu ao topo do palácio para apreciar a vista.

Por acaso, um som no pátio abaixo chamou sua atenção. Olhando para baixo, seus olhos cairam sobre o jovem príncipe. Pela primeira vez ela percebeu sua grande beleza, e seu coração começou a bater rápido no peito. Em um só instante ela ficou completamente apaixonada por ele.

Ardente de desejo, a rainha mandou uma de suas serviçais para o príncipe com um convite de amor. Mas Caurangi ficou chocado. Recusou seu convite de forma pouco polida.

Quando a serva retornou com a recusa do príncipe, a rainha sentiu-se mortalmente humilhada. Toda sua paixão transformou-se imediatamente em fúria. "Que ele me despreze", ela pensou. "Ele lamentará este dia, escreve o que eu digo." Ela passou a noite em tormento, cheia de sonhos de paixão e vingança. Pela manhã sua raiva não havia diminuído. Ela convocou seus seguranças e propôs um plano para eliminar o príncipe. Mas eles o conheciam desde criança e o amavam muito.

"O príncipe é inocente," eles objetaram. "Ele é apenas uma criança. Não merece morrer."

A raínha ficou lívida. Seus desejos sendo frustrados em todas as ocasiões, ela recorreu à mentira. Sabendo que o Rei retornaria em breve, ela dispensou os servos, bagunçou todo o quarto, rasgou suas roupas e arranhou todo seu corpo. Quando o rei entrou em seu recinto, ele a encontrou chorando histericamente.

"Quem fez isto contigo?" perguntou o rei.

"Teu filho," ela gemeu. "Quando tentei resistir, ele..."

"Ele não é mais meu filho," gritou o angustiado rei. "Ele deve morrer." Convocando dois fiéis servos, o pai insandecido ordenou-os a levar seu filho para as profundezas da floresta. Lá deveriam cortar seus braços e pernas e deixá-lo sangrar até a morte ou ser devorado por animais selvagens. A rainha requisitou que trouxessem de volta os membros cortados como uma prova de que tinham cumprido a ordem do rei.

Os servos caíram às lágrimas logo que sairam da frente do rei. Eles amavam o inocente príncipe ainda mais do que seus próprios filhos e desgastaram-se tentando decidir qual de seus filhos seria sacrificado em lugar dele. Mas quando eles foram ao rei com seu plano, ele contou a eles o que sua agonizante mãe havia ensinado a ele.

"Não posso deixar outro morrer em meu lugar," disse o príncipe. "Seria um pecado. Deves obedecer à ordem de meu pai."

Soluçando convulsivamente, os dois servos decidiram ao menos evitar os perigos da floresta. E eles levaram o príncipe amaldiçoado a um lugar distante na beira de uma campina onde eles estavam certos de que haviam camponeses por perto. Ao menos ele teria uma pequena esperança.

Sentindo toda a dor da tarefa enquanto cortavam os os membros do corpo do príncipe, os desgostosos executores escoraram-no contra a árvore solitária que haviam encontrado, e cataram os membros inúteis para levar de volta à vingativa rainha.

Nem ainda tinham desaparecido no horizonte, o iogue Minapa, também conhecido como Acintapa, muito querido no rei de Devapala, apareceu perante o rapaz agonizante. Em resposta às súplicas de ajuda do príncipe, Minapa disse a ele que ofereceria instrução que o curaria. Depois disso o iogue concedeu iniciação ao príncipe, ensinou-o a ioga da respiração respiração do "pote na barriga".

"Logo que concluires de forma bem sucedida esta prática," disse Minapa, "teu corpo novamente será inteiro." E ele deixou o garoto sob a árvore.

Caminhando ao longo da campina, o guru chegou a um grupo de pastores à distância de um grito da jovem vítima. Como um deles ofereceu-se para servir o príncipe é contado na lenda de Goraksa.

Por um período de doze anos o príncipe permaneceu em meditação, praticando o que seu guru havia ensinado.

Na noite anterior ao décimo segundo aniversário de seus ferimentos, um grupo dos comerciantes do rei por acaso acamparam durante a noite não muito longe da árvore do príncipe. Como a caravana estava carregada de ouro, prata e pedras preciosas, os comerciantes temiam um roubo noturno. Eles decidiram que ao pôr-do-sol eles carregariam o tesouro por alguma distância do acampamento e o enterrariam. Mas quando eles chegaram perto da árvore real, uma voz surgiu na escuridão perguntando, "quem está aí?"

Os comerciantes apavoraram-se. Teriam eles acampado próximos ao recanto dos ladrões, depois de todas as precauções? Apreensivamente, eles disseram, "Somos apenas carvoeiros."

"Que sejam mesmo," berrou a voz.

Na manhã seguinte, logo antes do nascer do sol, os comerciantes vieram desenterrar seu tesouro. Mas quando o examinaram para assegurarem-se de que estava tudo certo, ficaram chocados ao descobrir pedras de carvão em vez de pepitas e gemas.

Temendo por suas vidas se retornassem ao rei de mãos vazias, eles discutiram o que fazer. Eles já tinham quase decidido separarem-se e fugir para os quatro cantos da terra, quando o mais sábio entre eles falou.

"Lembram a voz que nos chamou na noite?" ele perguntou. "Eu acredito que deva ter sido um santo cujas palavras se tornam realidade, um ser tão puro que só pode falar a verdade. Que o encontremos. Certamente não temos mais nada a perder."

Então eles lembraram seus passos e chegaram em uma árvore solitária onde sentava um homem sem membros. Reunindo-se em torno dele, eles recontaram aflitos sua história e imploraram ajuda.

"Talvez eu tenha falado em minha meditação," disse o príncipe, "e o som de minha voz tenha mudado a aparência de suas mercadorias. Não tenho como saber. Mas se sou responsável então que o carvão novamente se transforme ouro e prata e pedras preciosas."

Abrindo os sacos nos quais tinham achado carvão, os comerciantes jogaram o conteúdo no chão. Ali, brilhantes como o sol da manhã, estavam rubis, diamantes e safiras, e belamente forjados itens de prata e ouro. Pasmos de reverência, os comerciantes se prostraram perante Caurangi e fizeram oferendas de suas mais preciosas mercadorias.

Tão surpreso quanto eles, o príncipe repentinamente lembrou as palavras de Minapa todos aqueles anos antes. Este era um sinal de que sua prática havia terminado? A professia se tornaria real? Seus membros ressurgiriam?

Todo aquele dia ele sentou em meditação, rezando pela restauração de seus braços e pernas. Vagarosamente eles começaram a materializar-se do ar. Num relance, Caurangi percebeu que assim como a terra é a mãe de tudo que cresce, assim a vacuidade que tudo permeia era a base de onde surgiam seus novos membros.

Ah, somente a árvore testemunhou a prática de Caurangipada. Nunca ninguém mais a aprendeu. Apesar do príncipe ter ganho cada siddhi mundano e ter realizado incontáveis milagres, seu temperamento irritável o impediu de ensinar seu segredo aos outros.

Ainda assim, diz-se que a árvore que foi sua companheira por doze anos de sua prática permanece no mesmo lugar até os dias de hoje.

Traduzido por Padma Dorje em 1999, a partir de Masters of Mahamudra e Buddhist Masters of Enchantment, de Keith Dowman, Buddha's Lions: The Lives of the Eighty-Four Siddhas, de Abhayadatta, traduzido por James B. Robinson e Empowered Masters, de Ulrich Von Schroeder. Por favor envie sugestões e correções para padma.dorje@gmail.com. Alterado em 2013-11-20 01:39:30.





Se você vê mérito nos tópicos tratados, divulgue — comente e partilhe nas redes sociais. É uma prática de generosidade que ajuda na minha própria prática de generosidade de produzir e disponibilizar esse conteúdo. Outras formas de ajudar.
tzal.org é produzido por
Padma Dorje.

e-mail

boletim informativo

Tendrel: conexões auspiciosas
canal no YouTube




Banco do Brasil (001)
ag 3.240-9 cc 123.017-4



Sugestões de patronagem recorrente (mensal):








todo conteúdo, design e programação por Eduardo Pinheiro, 2003-2019
(exceto onde esteja explicitamente indicado de outra forma)
Licença Creative CommonsEste obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Por favor, quando divulgar algo deste site, evite copiar o conteúdo todo de um texto; escolha um trecho de um ou dois parágrafos e coloque um link. O material aqui é revisado constantemente, e páginas repetidas na internet perdem ranking perante o Google (a sua e a minha).

https://tzal.org/10-caurangipa/